×

Hiperadrenocorticismo canino – síndrome de Cushing

Hiperadrenocorticismo canino

Hiperadrenocorticismo canino – síndrome de Cushing

A síndrome de Cushing em cães é uma condição endocrinológica que pode afetar de forma significativa a saúde do animal. É uma doença comum, principalmente em pets idosos, e pode ser resultado de tumores nas glândulas adrenais ou hipófise, além da administração excessiva de medicamentos.

A produção excessiva de cortisol pelo organismo gera sintomas como aumento do apetite, sede excessiva e fraqueza muscular. Apesar de não ter uma cura definitiva, uma vez que o tratamento visa controlar os sintomas e manter a qualidade de vida do animal, é possível prevenir a doença e monitorar a saúde do pet.

É importante que os tutores fiquem atentos aos sinais e busquem ajuda do veterinário, a fim de garantir o diagnóstico precoce e um tratamento adequado.

Síndrome de Cushing em cães

A síndrome de Cushing em cães é uma doença bastante comum entre pets. Ela é provocada pelo excesso de produção do cortisol, um dos hormônios mais importantes para o equilíbrio do organismo dos animais. Essa produção em excesso pode ser causada por tumores nas glândulas adrenais, tumores na hipófise ou administração excessiva de glicocorticoides.

dente de cachorro
dente de cachorro

A doença pode acarretar diversos sintomas e outras doenças, como o Diabetes.

O que é a síndrome de Cushing em cães?

De maneira geral, a síndrome de Cushing em cães se caracteriza pelo aumento do cortisol no organismo do animal, causando diversos desequilíbrios que podem desencadear outros problemas de saúde. A glândula hipófise é responsável por produzir o hormônio ACTH, que estimula as glândulas adrenais a produzir glicocorticoides, inclusive o cortisol.

Na síndrome de Cushing, essa produção é excessiva, causando diversas anormalidades.

O cortisol é um hormônio essencial para o equilíbrio do organismo dos animais. Ele tem diversas funções, como ajudar na resposta inflamatória das defesas do organismo, controlar os níveis de açúcar no sangue, manter a pressão sanguínea e regular o metabolismo de proteínas, gorduras e carboidratos. Assim como nos seres humanos, a produção dessa hormona é regulada por outras hormonas.

As causas da síndrome de Cushing em cães estão entre duas possibilidades principais: tumores nas glândulas hipófises ou adrenais ou administração indiscriminada de medicamentos glicocorticoides, prática conhecida como iatrogenia.

Os tumores podem causar desequilíbrios na saúde do animal, mas nem sempre são malignos ou possuem a tendência de se espalhar pelo corpo. No entanto, quando estão localizados na glândula hipófise, podem causar a compressão do tecido nervoso, resultando em outros problemas de saúde.

Os sintomas da síndrome de Cushing podem ser variados e muitos são idênticos aos de outras patologias. Alguns sinais podem ser sutis numa fase inicial e com o progredir da doença podem ficar mais intensos e outros novos podem surgir.

castração
castração

Alguns sinais comuns são: aumento do apetite; aumento da ingestão de água; aumento do volume de urina; dificuldade de perder peso; distensão abdominal; distensão das veias do abdômen; problemas de pele, como escurecimento; perda de pelos (alopecia).

É importante reforçar que o diagnóstico da doença não pode ser realizado apenas pela observação dos sintomas, mas também por exames adequados.

Não há um único teste que garanta o diagnóstico definitivo da síndrome de Cushing em cães. O médico veterinário pode utilizar a avaliação clínica do peludo, além de realização de testes de estimulação com ACTH, teste de supressão com dexametasona e testes hormonais. O diagnóstico definitivo deve ser feito por meio da análise conjunta dos exames realizados.

O tratamento da síndrome de Cushing em cães dependerá da causa da doença. Quando causada por tumores, pode ser indicada a retirada cirúrgica das glândulas adrenais ou hipófises afetadas. Já o tratamento com medicamentos também pode ser indicado para controlar os sintomas. O prognóstico da doença dependerá das condições do pet e dos cuidados dispensados por seu tutor.

A prevenção da iatrogenia, cuidados com alimentação e exercícios, além do monitoramento da saúde do pet são importantes para prevenir e controlar a síndrome de Cushing em cães. É importante que o tutor esteja atento aos sinais apresentados pelo animal e sempre busque a orientação de um médico veterinário, especialmente quando a idade do animal avançar.

A síndrome de Cushing em cães é um problema comum e que pode causar diversos desequilíbrios no organismo do pet. O tutor deve estar atento aos sinais da doença e buscar a orientação de um médico veterinário para um diagnóstico preciso e o início do tratamento adequado. Com os cuidados e tratamentos necessários, é possível garantir a qualidade de vida do animal e prevenir outras complicações.

cachorro se coçando
cachorro se coçando

Diagnóstico da síndrome de Cushing em cães

Quando um cão apresenta sintomas da síndrome de Cushing, o diagnóstico precisa ser feito o quanto antes para que o pet possa receber o tratamento adequado. Existem vários testes e exames que podem ser feitos para identificar se o animal está com a doença.

O primeiro teste a ser feito é a dosagem de cortisol no sangue do pet. Esse exame é realizado duas vezes, com algumas semanas de intervalo. Se os resultados apontarem altos níveis de cortisol, é possível que o animal esteja com a síndrome de Cushing.

Outro exame que pode ser feito é o teste de estimulação com ACTH. Ele ajuda a verificar se as glândulas adrenais estão funcionando corretamente, e se a produção de cortisol está dentro do normal. Há também o teste de supressão com dexametasona, que é utilizado para verificar se há algum mau funcionamento na hipófise. Ele geralmente é feito em duas etapas.

Na primeira, o animal recebe a substância para ver se ocorre a normalização da produção de cortisol. Na segunda, é utilizado o teste da baixa dose para verificar se a hipófise está produzindo cortisol em excesso.

O diagnóstico definitivo da síndrome de Cushing em cães não é feito apenas com um teste. É preciso avaliar todos os exames realizados, bem como os sintomas apresentados pelo animal. O veterinário pode fazer a indicação de outros procedimentos para confirmar o diagnóstico, caso haja necessidade.

Ao identificar a doença, é importante seguir todos os passos que o veterinário indicar para garantir o melhor tratamento possível ao pet. A síndrome de Cushing em cães não tem cura, mas os tratamentos disponíveis atualmente ajudam a controlar os sintomas da doença e melhorar a qualidade de vida do animal.

cachorro no veterinario
cachorro no veterinario

Tratamento da síndrome de Cushing em cães

Após o diagnóstico da síndrome de Cushing em cães, é essencial que o animal comece o tratamento o quanto antes. Isso porque a doença pode se agravar ao longo dos anos e trazer ainda mais prejuízos ao organismo do pet.

Opções de tratamento:

O tratamento da síndrome de Cushing em cães pode variar de acordo com a causa da doença. Quando a causa é um tumor nas glândulas adrenais ou hipófise, o tratamento mais indicado é a cirurgia para a remoção do tumor. No entanto, algumas vezes, a realização da cirurgia pode ser um grande desafio por conta das possíveis dificuldades que se tem em encontrar os tumores.

No caso da administração de glicocorticoides, uma mudança na medicação pode ser suficiente para controlar a produção excessiva de cortisol no organismo do pet.

Já em casos mais graves, pode ser necessário recorrer a um tratamento com medicamentos específicos, como o trilostano ou o mitotane para diminuir a produção de cortisol. Também pode ser necessária a realização de terapia de reposição hormonal caso o pet apresente deficiência dessa substância no corpo.

Prognóstico:

O prognóstico em casos de síndrome de Cushing depende muito da causa da doença e do estágio em que ela se encontra. Na maioria dos casos, a doença pode ser controlada com tratamentos adequados. No entanto, em casos em que a doença já se encontra avançada, pode haver maior dificuldade no controle da produção excessiva de cortisol.

É importante destacar que, mesmo com tratamentos adequados, os pets que sofrem com essa síndrome precisam de acompanhamento veterinário constante ao longo de suas vidas.

cachorro no veterinario deitado
cachorro no veterinario deitado

Prevenção e controle da síndrome de Cushing em cães pode ser feita por meio de mudanças nos hábitos de vida, a fim de evitar as causas da doença.

Prevenção da iatrogenia:

Para evitar casos de síndrome de Cushing provocados por excesso de medicamentos glicocorticoides, é importante seguir as orientações do médico veterinário em relação à dosagem e tempo de duração dos medicamentos prescritos.

Cuidados com alimentação e exercícios:

O controle de uma alimentação equilibrada e a prática regular de exercícios físicos podem ajudar na prevenção de diversas doenças, incluindo a síndrome de Cushing em cães. A obesidade em cães, por exemplo, pode piorar a condição da saúde dos peludos.

Monitoramento da saúde do pet:

O monitoramento constante da saúde do pet é essencial para prevenir a síndrome de Cushing em cães. Realizar exames regulares com um médico veterinário pode auxiliar no diagnóstico precoce da doença e evitar o seu agravamento. Lembre-se de que o cuidado com a saúde e bem-estar do seu pet é fundamental para que ele possa ter uma vida longa e saudável.

A síndrome de Cushing em cães é uma condição que pode trazer problemas graves para a saúde do seu pet, e o diagnóstico precoce e tratamento adequado são fundamentais para evitar o agravamento da doença.

Prevenção e controle da síndrome de Cushing em cães

A prevenção da síndrome de Cushing pode ser feita por meio do controle de alguns fatores de risco que podem estimular a produção excessiva de cortisol pelo organismo do animal. Um dos principais fatores é a administração indiscriminada de medicamentos contendo glicocorticoides. Portanto, é preciso ter muito cuidado com a automedicação de animais e seguir rigorosamente as prescrições médicas.

Além disso, é importante garantir que o pet mantenha uma alimentação balanceada e saudável, com a quantidade adequada de nutrientes, vitaminas e minerais. O excesso de peso pode ser um fator de risco para o desenvolvimento da síndrome, portanto, deve-se controlar a quantidade de comida oferecida e estimular a prática regular de exercícios físicos. Uma rotina de atividades físicas pode ajudar a manter o pet saudável e prevenir outras doenças.

Outra medida essencial para o controle da síndrome de Cushing é o monitoramento frequente da saúde do pet. Periodicamente, o animal deve ser submetido a exames e avaliações, a fim de verificar se há sinais de anormalidade no organismo. O diagnóstico precoce é fundamental para o sucesso do tratamento e para evitar que a doença se agrave.

Portanto, os tutores devem estar atentos aos sinais e sintomas que o pet pode apresentar e buscar ajuda profissional assim que notarem alguma alteração. Em resumo, a prevenção da síndrome de Cushing em cães consiste em evitar a iatrogenia, manter uma alimentação adequada e balanceada, estimular a prática regular de exercícios físicos e monitorar a saúde do pet com frequência. Com cuidado e atenção, é possível manter o peludo saudável e prevenir o desenvolvimento desta doença.

Conclusão

Em resumo, a síndrome de Cushing em cães é uma doença que pode acometer animais de diferentes raças, especialmente os idosos. Os tutores devem estar atentos aos sintomas, que incluem aumento da sede, da ingestão de água e do apetite, além de problemas de pele e cabelo. O diagnóstico correto depende de testes e exames, bem como do acompanhamento do animal.

O tratamento é complexo e depende do tipo e da gravidade da síndrome. Por isso, é importante prevenir a iatrogenia e manter hábitos saudáveis para o pet. Lembre-se: o cuidado com a saúde do seu amigo peludo deve ser sempre uma prioridade.

Publicar comentário

  • Facebook
  • X (Twitter)
  • LinkedIn
  • More Networks
Copy link